Passe Livre

Poster

Por Felippe Alves

A discrição masculina ao olhar para os atributos femininos na rua é tão eficiente quanto um barco furado em uma forte tempestade em alto mar. A curiosidade dos homens não se limita ao amor por suas esposas, nem pelo casamento espetacular ou pela satisfação sexual. A olhadinha básica pro lado, estejam onde estiver, é inevitável.

Dirigido e produzido pelos irmãos Peter e Bobby Farrelly, responsáveis pelos sucessos Quem vai ficar com Mary?, Eu, Eu Mesmo e Irene e O Amor é Cego, Passe Livre (Hall Pass, 2011) é uma comédia estrelada por Owen Wilson e Jason Sudeikis onde interpretam, respectivamente, Rick e Fred, grandes amigos que, de acordo com suas esposas Maggie (Jenna Fisher) e Grace (Christina Applegate), são obcecados por sexo. Numa festa de amigos, Rick e Fred são filmados falando obscenidades sem perceber que os demais convidados estavam assistindo tudo.

Maggie e Grace, cientes da compulsão sexual dos maridos, utilizam um curioso método para reanimar seus casamentos: concedem aos maridos um "passe livre", que consiste em uma semana de liberdade total do casamento para fazer o que bem entenderem: realizar suas fetiches, sair com quem quiser e curtir a solteirice como nos tempos de faculdade. Na teoria, tudo parece perfeito: uma oportunidade tentadora de voltar ao passado sem nenhuma culpa. Porém, na prática não foi exatamente como o planejado.

O longa mostra a ilusão de ótica que os homens casados têm em relação à liberdade. Em determinado ângulo, a solteirice pode parecer incrível, por outro pode se mostrar claramente o contrário. Sem os conhecimentos necessários, uma “rapidinha” na apostila da juventude e, principalmente, sem ajuda profissional de um “velho lobo do mar” para voltar à ativa, sem chance pra você, garanhão de meia idade. Passe Livre é, sem dúvida, um filme feito pra fazer rir. E também, pra pensar. Com o cérebro de cima, não com o de baixo.

(Publicado também no Jornal BLEH!)

Anúncios

Sobre Felippe Alves

Jornalista, 20 e poucos anos, amante assíduo da arte e da música. Dono do próprio blog. Sem sucesso pra trabalhar na área. Tenho células suicidas (elas não me suportam e colocam substitutas no lugar). Não sei o que é real ou o que é fantasioso. E definitivamente não sei lidar com MUITAS coisas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Felippe Alves


Jornalista, 20 e poucos anos, amante assíduo da arte e da música. Dono do próprio blog. Sem sucesso pra trabalhar na área. Tenho células suicidas (elas não me suportam e colocam substitutas no lugar). Não sei o que é real ou o que é fantasioso. E definitivamente não sei lidar com MUITAS coisas.

What we´re gonna do right here is go back

março 2011
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Latest Tweets

Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

%d blogueiros gostam disto: