Is This Really It? – O veredicto

michael-jackson-this-is-it-movie-poster

Antes de já começar discorrendo sobre o filme This Is It, vamos fazer um mini flashback.

Michael Jackson faria 50 shows em Londres, começando em julho de 2009. Ingressos se esgotaram rapidamente como a venda de garrafas d’água no meio do deserto do Atacama. Fãs se exibiam com seus ingressos holográficos esperando o retorno do ano aos palcos. Jacko, que lançou seu último álbum de estúdio em 2001 – Invincible – estava ocupado com o novo disco de estúdio previsto para 2009. O comeback não viria apenas com o álbum novo e sim com os shows. Tudo estava bem quando, de repente, a morte chegou e pegou Michael sem aviso prévio, no dia 25 de junho deste ano como uma vela que se apaga por falta de oxigênio. Sublimemente. A morte repentina não combinava nem um pouco com as últimas imagens filmadas dos ensaios dos shows: um Michael cheio de energia, claro, não tão vivo quanto antes – não usava muito as pernas pra dançar – mas ainda restava uma chama. E essa chama foi registrada minuto a minuto. Teremos a oportunidade de ver essa chama, ver como realmente seria o novo show. Grandes sucessos e com coreografias bem bacanas dirigidas por Kenny Ortega (High School Musical, 2006/2007/2008).

A chama. A lembrança. O concerto mais esperado de todos e que, infelizmente, não aconteceu.

A maior parte dos ensaios foi filmada no ginásio esportivo Staples Center em Los Angeles, onde foi velado. Michael aparece feliz e bem disposto – apesar de algumas vezes parecer cansado, o que não torna o filme maçante, pois na maioria das vezes ele se mostra muito animado e bem humorado – e, como de costume, brincalhão. No início aparecem os envolvidos (músicos, dançarinos, etc) expressando a felicidade pela oportunidade de estar ao lado do ídolo. A introdução do documentário se dá com a clássica Wanna be startin’ somethin’, do Thriller.

Pontos altos: They Don’t Care About Us (10 dançarinos se tornaram 1000 “digitalmente”), The Way You Make Me Feel (matadora, como já dizia o produtor Quincy Jones), Human Nature (muito boa a performance vocal de Jackson nessa música, grandes agudos), Billie Jean (batendo o pé em sincronia com a bateria, soberbo), Thriller (na telona é outra impressão, monstros mais assustadores que no clipe original – super produção). E o final do filme: uma oração e logo em seguida a passagem de som de Man In The Mirror. Jacko: essa música requer fôlego e você arrebentou, literalmente. Excelente escolha pra encerrar.

Pontos negativos: Na passagem de som das músicas dos Jacksons 5, ele mostrou um pouco de cansaço e tocou mais o instrumental do que a voz dele. Não o culpamos, afinal ele esteve/estava doente (já que alguns fãs têm certeza disso e chegaram a boicotar o filme justamente por mostrar só o lado positivo com risadas e saúde sã). Rei é rei e nunca perde a majestade. Sem contar que em I’ll Be There ele repetiu várias vezes o verso final (and I’ll be there) com a desculpa de ‘poupar a voz’ e pedindo que os demais entendessem isso. Acredite, eu entendo.

Das considerações finais: Michael, como sabemos, sempre foi perfeccionista. Podemos ver claramente. Se uma nota no piano tá fora do compasso, ou uma coreografia fora do ritmo, ele faz todo mundo parar e começar novamente e sempre com a frase: ‘vamos lá, com amor pessoal: é pra isso que estamos ensaiando’. Amor: a palavra que definia tudo o que Michael se envolvia e se dedicava. Nada podia ser feito nas coxas e nem devia: afinal, sabemos muito bem como ele era. Não com a mesma vivacidade de quando era jovem, mas ainda assim contagiante. Uma chama que se apagou de repente.

This is it: Is this REALLY It? Of course, it is. Existem boatos de que o DVD/Blue-Ray, que será lançado em janeiro de 2010, virá com 4 horas de extras. Só de extras. Sonho. Ou pelo menos uma extensão dele. Uma extensão de ver o Michael ao vivo por mais 4 horas.

Vida longa ao rei do pop!

Anúncios

Sobre Felippe Alves

Jornalista, 20 e poucos anos, amante assíduo da arte e da música. Dono do próprio blog. Sem sucesso pra trabalhar na área. Tenho células suicidas (elas não me suportam e colocam substitutas no lugar). Não sei o que é real ou o que é fantasioso. E definitivamente não sei lidar com MUITAS coisas.

Uma resposta para “Is This Really It? – O veredicto

  1. Fiquei emocionada com o seu texto!Parabéns!E como diz o próprio rei: O amor sempre vive!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Felippe Alves


Jornalista, 20 e poucos anos, amante assíduo da arte e da música. Dono do próprio blog. Sem sucesso pra trabalhar na área. Tenho células suicidas (elas não me suportam e colocam substitutas no lugar). Não sei o que é real ou o que é fantasioso. E definitivamente não sei lidar com MUITAS coisas.

What we´re gonna do right here is go back

novembro 2009
S T Q Q S S D
« out   dez »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Latest Tweets

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

%d blogueiros gostam disto: