Entrevistando Daniela Thomas

Daniela Thomas, 49 anos, é cineasta e cenógrafa nascida no Rio de Janeiro – RJ,é filha do cartunista e jornalista Ziraldo e está presente na maioria dos trabalhos do diretor Gerald Thomas, com quem já foi casada. É famosa pelo seu ‘bang’ visual minimalístico e seus cenários fantasiosos sugerindo metáforas sobre a situação dramática em que as personagens se encontram. Trabalhou com Walter Salles nos filmes Terra Estrangeira (1994) e Linha de Passe (2007), vencedor do Prêmio Cannes de melhor atriz para Sandra Corvelloni. Ela cedeu gentilmente essa entrevista para nós.

Como você descobriu a sua paixão pelo cinema?
Acho que foi quando meu tio me levou para ver o 2001. Fomos só nós 2, ele com 15 anos, eu com 10. Foi um dia inesquecível, e 2001 na tela grande me impactou como nada até hoje.

Tem um filme que marcou a sua vida?
2001 – Uma Odisséia no Espaço.

Qual a sua trilha sonora favorita?
O Poderoso Chefão e todos os filmes do Fellini (que o Nino Rota tenha feito a trilha).

Qual seu diretor favorito?
Hoje em dia é um jovem chinês, Jia Zhang Ke.

Qual a diferença de fazer cinema hoje e antigamente?
Hoje é infinitamente mais fácil e leve. Programas de edição existem para seu computador de casa, com uma câmera de vídeo você poderia gravar, editar e, nos cinemas digitais… exibir.

Que filme da atualidade você recomenda?
Os filme do Jia: O Mundo, Still Life e Plataforma.


Como a pirataria interfere no cinema de um modo geral?
Realizar um filme ainda custa muito. A pirataria rouba receita dos autores e produtores dos filmes. Por outro lado, o custo de um ingresso nos cinemas inviabiliza a experiência para a maioria das classes mais pobres. Daí que a pirataria talvez seja a única maneira de fazer um filme chegar a um certo público. Esse diretor chinês de que falei conta que, se não fosse a pirataria seu cinema jamais teria tido a popularidade e oportunidade que tem. Você vê que essa questão não tem uma resposta simples.

Desta nova geração, quem se destaca?
Vi um belíssimo filme dirigido por Selton Mello, “Feliz Natal”. Dizem que o filme de Matheus Nachtergaele é bem bacana. Gosto dos filmes de Sergio Machado e do Karim Ainouz.

Qual a sua visão do cinema brasileiro atualmente?
É um cinema que está em plena ebulição, procurando sua identidade, com filmes muito diversos e interessantes.

Quem merece estar no cinema e não está?
Todos que têm talento e amam o cinema e que ainda não tiveram oportunidade.

Qual foi o último musical que você viu? E se viu, gostou?
Gostava muito de musicais na minha infância, um dos meus filmes favoritos é “My Fair Lady”. Mas não acho que o gênero tenha se desenvolvido depois dos anos 60.

Anúncios

Sobre Felippe Alves

Jornalista, 20 e poucos anos, amante assíduo da arte e da música. Dono do próprio blog. Sem sucesso pra trabalhar na área. Tenho células suicidas (elas não me suportam e colocam substitutas no lugar). Não sei o que é real ou o que é fantasioso. E definitivamente não sei lidar com MUITAS coisas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Felippe Alves


Jornalista, 20 e poucos anos, amante assíduo da arte e da música. Dono do próprio blog. Sem sucesso pra trabalhar na área. Tenho células suicidas (elas não me suportam e colocam substitutas no lugar). Não sei o que é real ou o que é fantasioso. E definitivamente não sei lidar com MUITAS coisas.

What we´re gonna do right here is go back

novembro 2008
S T Q Q S S D
« out   dez »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Latest Tweets

Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

%d blogueiros gostam disto: